Poder360 Ideias – Paulo Guedes, jantar no Piantas. Brasilia, 05-02-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

No artigo “(Des) reforma administrativa e impulso de morte de Paulo Guedes”, o ensaísta e economista Albertino Ribeiro faz dura crítica à proposta de reforma administrativa do serviço público do Governo federal. Na sua opinião, o ministro da Economia quer destruir o Estado brasileiro.

“Quando Paulo Guedes fala sobre a (des) reforma administrativa, percebemos em seus argumentos inegável ódio ao Estado brasileiro e aos servidores públicos”, ressalta. Em seguida, relembra frases de Guedes a respeito dos funcionários, como “servidor público é parasita” e “gosta de dar carteirada”.

Veja mais:

Brasil erra ao apostar no embate entre a indústria e o agronegócio, diz economista

Atacada pela capitã Cloroquina, Fiocruz salvou a vida de milhares de brasileiros, diz ensaísta

Economista lamenta privatização da Eletrobrás e diz que energia é estratégico em vários países

“É certo que muitas pessoas pensam e sentem a mesma coisa que o imaturo ministro, porém a maioria delas não tem a oportunidade de causar dano ao objeto do seu ódio de forma tão efetiva”, observa.

“Jair Bolsonaro – que tem em Paulo Guedes o seu melhor capataz – disse em um discurso no início de 2019 que não tinha sido eleito para construir, mas para destruir. Com efeito, esse é o governo da destruição, pois assistimos todos os dias a destruição do meio ambiente, das comunidades indígenas; assistimos à destruição da saúde e até da esperança do povo brasileiro”, conclui.

Leia o artigo:

“(Des) reforma administrativa e impulso de morte de Paulo Guedes

Albertino Ribeiro

Segundo a teoria psicanalítica, nossa mente serve a dois senhores chamados de impulso de vida e de morte. Para entendermos o significado desses termos criados por Sigmund Freud, pense que existe em sua mente, leitor, um aparelho psíquico (termo também freudiano) onde coexistem um piloto automático, representado pelos instintos primitivos, e a consciência.

Nesse esquema, o piloto automático é o impulso de morte que assume o controle de nossas decisões. Isso acontece quando abrimos mão da nossa capacidade de pensar e cedemos aos reclames de nossas pulsões.

As pessoas guiadas por esse piloto automático possuem grande intolerância à frustração e tendem a descarregá-las agindo de forma autodestrutivas.  Alguns indivíduos, por exemplo, fazem compras compulsivas ou comem exageradamente. Entretanto, existem aqueles que aplacam seus desejos fazendo mal a outras pessoas.

Servidor público como objeto do ódio

Quando Paulo Guedes fala sobre a (des) reforma administrativa, percebemos em seus argumentos inegável ódio ao Estado brasileiro e aos servidores públicos. Guedes revela os seus pensamentos inibidos e recalcados através de atos falhos e chistes –  expressões tendenciosas que brotam do inconsciente. Lembra daquele versículo bíblico “a boca fala do que o coração está cheio? ” Diferente do “conhecereis a verdade(…)” , a verdade de Guedes não liberta, mas aprisiona.

“O servidor público é um parasita”; vamos colocar uma bomba no bolso do inimigo”; “servidor público gosta de dar carteirada e dizer: sou eu que mando”. Frases como essas deixam bem claro o tipo de pessoa que ocupa a posição de poder sobre suas vítimas.

Se o psicanalista britânico Wilfred Bion (1897-1979) estivesse vivo, ele diria que  seu potencial paciente estaria realizando uma forma de identificação projetiva. Não querendo reconhecer o fato de que ele mesmo sempre foi um parasita do mercado financeiro, o especulador identifica no funcionário público a sua própria sombra.

É certo que muitas pessoas pensam e sentem a mesma coisa que o imaturo ministro, porém a maioria delas não tem a oportunidade de causar dano ao objeto do seu ódio de forma tão efetiva. A posição de Paulo Guedes é privilegiada e lhe permite fazer o seu jogo pessoal dentro da esfera pública, colocando em risco o Estado brasileiro.

É interessante percebermos que o impulso de morte combina com a forma de pensar da extrema direita fascistoide, pois esta, por princípio, é disruptiva; ambos têm pendor para a destruição, inclusive, das instituições.

A palavra reforma, na verdade, causa náuseas nessa gente que utiliza o verbo reformar apenas como um verniz de boas intenções; na verdade o imperativo é destruir.

O Estado brasileiro foi construído – guiado por um verdadeiro impulso de vida –  depois de 21 anos de ditadura. Antes da constituição de 1988, apenas 1/3 da população brasileira tinha acesso à saúde pública; a educação pública não era universalizada; estas e muitas outras conquistas mudaram para melhor a vida do povo brasileiro.

Tal presidente, tal ministro

(*) Albertino Ribeiro é economista, ensaísta e analista de informações socioeconômicas do IBGE

Jair Bolsonaro – que tem em Paulo Guedes o seu melhor capataz – disse em um discurso no início de 2019 que não tinha sido eleito para construir, mas para destruir.

Com efeito, esse é o governo da destruição, pois assistimos todos os dias a destruição do meio ambiente, das comunidades indígenas; assistimos à destruição da saúde e até da esperança do povo brasileiro. Trata-se de uma sanha incontrolável; só falta escutarmos dessa gente uivos de prazer, o que fica bem enfatizado na frase de Bertolt Brecht: “A cadela do fascismo está sempre no cio”.”