Mesmo tendo desistido de disputar a presidência da República, Moro ainda é o melhor colocado como opção da 3ª via e tem quatro pontos de vantagem em relação a Mandetta (Foto: Arquivo)

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), obteve índice inferior a quatro cotados para ser o candidato da 3ª via nas eleições presidenciais de 2022. Conforme levantamento nacional do Instituto Ranking, que simulou nove nomes, o campo-grandense só possui densidade superior ao ex-presidente da República, Michel Temer (MDB), que teve a gestão marcada por denúncias de corrupção, e três nanicos.

De acordo com o levantamento feito com 3 mil eleitores de 163 cidades entre os dias 1º e 4 deste mês, com margem de erro de 2,5% para mais ou menos, Mandetta obteve 7,53% em confronto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 44,27%, e 31% do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O índice de indecisos, votos brancos e nulos somou 17,2%.

Veja mais:

Mandetta derrotaria Bolsonaro no 2º turno, mas o desafio será chegar lá, diz pesquisa

Bolsonaro lidera com folga e Doria bate Mandetta em MS, diz 1ª pesquisa para presidente

Em tom de campanha, Bolsonaro xinga Lula e Mandetta e prevê derrota sem voto impresso

Apesar de ter desistido da candidatura a presidente em 2022, o ex-juiz federal Sérgio Moro (sem partido) ficaria com 11,5%, o melhor índice entre os nove cotados para ser o nome da 3ª via, enquanto Lula ficou com 41,13% e Bolsonaro, 31,17%.

O segundo melhor índice ficou com Ciro Gomes (PDT), ex-governador do Ceará, que foi citado por 10,37% dos eleitores, enquanto Lula ficou com 42,03% e o atual presidente, 30,83%. O pedetista segue patinando nas pesquisas, mesmo com os ataques frequentes contra o petista e assumindo pautas bolsonaristas, como o voto impresso.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ficou com 9,33%. Mesmo com a vacina da coronavac, a primeira a ser aplicada no Brasil, o tucano ainda não atinge dois dígitos e fica longe dos adversários, considerando-se os 43% de Lula e 32,07% de Bolsonaro.

O apresentador da TV Globo, Luciano Huck (sem partido), ficou com 8,77%. Ele desistiu da política para assumir o lugar de Fausto Silva nas tardes de domingo na emissora da família Marinho.

Com 7,53%, Mandetta empata com Temer, com 7,27%, e só supera o banqueiro João Amoêdo (Novo), com 6,30%, o ex-candidato a prefeito de São Paulo, Guilherme Boulos (PSOL), com 5%, e a ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (Rede), com 4,9%.

No cenário estimulado, com todos os pré-candidatos a presidente em 2022, Mandetta fica em 7º lugar, com 2,10%, segundo a sondagem da Ranking. Lula lidera com 32,07%, seguido por Bolsonaro (27,33%), Ciro (4,33%0, Moro (4,07%), Doria (3,23%), Huck (3,07%), Temer (1,67%), Amoêdo (1,53%), Boulos (1,17%) e Marina (1,1%).

A pesquisa reflete a insatisfação da maior parte dos brasileiros com a gestão do capitão do Exército. Atacado diariamente pela CPI da Covid do Senado, que apura responsabilidades do Governo federal no combate à pandemia, Bolsonaro colhe o desgaste, principalmente, com o atraso na compra de vacina.

Conforme a Ranking, 27,37% consideram o presidente ótimo ou bom, enquanto 51% o avaliam como ruim e péssimo. Outros 19,03% avaliam como regular, enquanto 2,6% não souberam responder.

Em 2018, quando foi eleito presidente, Bolsonaro estava atrás nas pesquisas e assumiu a dianteira na reta final da campanha. Como falta um ano e quatro meses, o levantamento vai servir mais de bússola para orientar os políticos a fechar alianças visando as eleições gerais do próximo ano.