Dourados, segunda maior cidade de MS, impõe lockdown aos 223 mil habitantes por duas semanas (Foto: Arquivo)

A Prefeitura de Dourados decretou lockdown por 14 dias para conter a 3ª onda da covid-19 e salvar vidas no município a partir deste domingo (14). Com a pandemia batendo novo recorde, com 2.998 casos em 24 horas neste sábado e fechando maio como o mês com o maior número de infectados, os prefeitos avaliam seguir o exemplo de Alan Guedes (Progressistas) e estender a medida mais radical para todas as 79 cidades de Mato Grosso do Sul.

“Estamos vivendo um momento importante, porém difícil. Enfrentando um inimigo que é o vírus da covid-19 e lamentando o cenário que não é só em Dourados, mas no Brasil. E se nenhuma medida efetiva for tomada no nosso município podemos perder o controle da situação”, afirmou Guedes. Eleito no ano passado, ele está usando o capital político para adotar medidas duras e impopulares, mas apontadas como as mais eficientes por especialistas e cientistas.

Veja mais:

Cabo Almi, o deputado fiel às suas origens, morre aos 58 anos na 3ª onda da covid-19

Pneumologista diz que tratamento adequado na fase 2 evita UTI e mortes pela covid-19

Com aval da Justiça e protestos de lojistas, Estado fecha parcialmente para conter covid

“Estamos com uma média de 40 a 50 pessoas na fila da UTI diariamente. Esse é um momento de união. Estamos trabalhando, fazendo tudo o que está ao nosso alcance e precisamos passar por esse momento juntos. Entendemos que é um momento que a sociedade precisa se unir para juntos oferecermos condições para que o serviço de saúde continua atendendo”, ressaltou.

Com taxa de ocupação de 95% dos leitos de UTI, Dourados tinha 63 pacientes na fila de espera de leito intensivista nesta sexta-feira (28). Em live na rede social, Guedes disse que o paciente com covid-19 ocupa leito de UTI de 15 a 20 dias. No Hospital da Vida, em Dourados, 50% dos doentes entubados morrem.

Como a propagação do vírus se acelerou na cidade, com 220 novos casos por dia, Alan Guedes decidiu fechar tudo para frear a pandemia. A partir deste domingo, somente serviços essenciais vão funcionar no município: supermercados, açougues, padarias, farmácias, postos de gasolina e hospitais. A população não poderá sair às ruas. “Vamos punir”, ameaçou Guedes, sobre quem desrespeitar o lockdown na segunda maior cidade do Estado, com 223 mil habitantes.

“Não vou ficar marcado na história de não fazer o que é preciso ser feito (para salvar vidas)”, enfatizou Guedes. As medidas vão afetar moradores de outras cidades. Só vai poder entrar em Dourados quem já tomou a vacina.

Outras cidades estão adotando medidas mais restritas, como Nova Andradina, que antecipou o toque de recolher para as 16h. Amambai definiu em 19h. Campo Grande antecipou para as 20h.

Contudo, os prefeitos de Mato Grosso do Sul analisam a possibilidade de seguir o exemplo de Dourados. De acordo com o Dr. Bandeira (PSDB), prefeito de Amambai, como há risco de desassistência devido à falta de vagas, a Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) estuda medidas mais restritivas em conjunto e para atingir os 79 municípios.

Apesar de ter o 3º maior índice de vacinados do Brasil, o 27,98% dos 2,8 milhões de habitantes imunizados, Mato Grosso do Sul vive o pior momento da pandemia. Neste sábado, houve o recorde no número de casos em 24h, com 2.998 novos exames positivos. O Estado superou o recorde anterior, de 2.258 registrado em 11 de novembro do ano passado.

Guedes diz que não pretender ficar marcado por não fazer o que precisava ser feito para salvar vidas (Foto: Reprodução)

A dois dias do encerramento, maio contabiliza 38.972 casos e já é o mês recordista em número de casos de covid. Não é o mais letal, já que este recorde deve continuar com abril (1.391 mortes). Maio está com 941 óbitos.

Em entrevista ao Campo Grande News neste sábado, o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, classificou o momento como “muito ruim”. Ele defendeu medidas mais radicais para conter a pandemia.

“Estamos respeitando a autonomia dos municípios, que é aquilo que definiu o STF, mas as medidas de restrições têm que ser tomadas. Nós precisamos, nesses próximos dias, tentar diminuir essa curva de crescimento”, defendeu o secretário.

O fecha tudo volta a ser adotado porque o ritmo da vacinação está muito lento no Brasil. Em Mato Grosso do Sul, apenas 785,9 mil (27,9%) dos moradores já tomaram a primeira dose. Somente 357,3 mil estão totalmente imunizados (receberam as duas doses). Os maiores índices de imunização são de Rio Negro (40,37%) e Japorã (41,88%), enquanto o menor é de Água Clara (15%).