Medida terá impacto no dia a dia da população:: privatização deve deixar a conta de luz ainda mais cara (Foto: Arquivo/Midiamax)

Quatro dos oito deputados federais de Mato Grosso do Sul – Bia Cavassa e Rose Modesto, do PSDB, Dr. Luiz Ovando e Loester Trutis, do PSL – votaram a favor da privatização da Eletrobras. A Medida Provisória foi aprovada por 313 a 166 votos. Conforme entidades do setor e especialistas, a venda da estatal pode encarecer a conta de luz em até 20%. Governo e relator dizem que haverá redução.

Três parlamentares foram contra a venda da Eletrobras: Dagoberto Nogueira (PDT), Fábio Trad (PSD) e Vander Loubet (PT). Beto Pereira (PSDB) não participou da votação. A proposta prevê ampliação da utilização de usinas termelétricas, consideradas mais caras e poluentes.

Veja mais:

Só três deputados de MS aprovam projeto que proíbe interromper aulas na pandemia

Seis dos oitos deputados federais de MS aprovam compra de vacina por empresas privadas

Seis deputados votam pela manutenção da prisão de Silveira, chamado de “canalha” por Trutis

Trad, Dagoberto e Vander criticam e Ovando defende deputado preso por atacar STF

O relator da MP, Elmar Nascimento (DEM), da Bahia, argumentou que as alterações visam reduzir o valor da tarifa. “Nós estamos tentando substituir térmicas a combustível, que têm um preço cinco vezes mais caro que a térmica a gás e é ambientalmente sustentável”, afirmou ao G1.

Ex-diretora da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e diretora do Centro de Regulação de Infraestrutura da FGV (Fundação Getúlio Vargas), Joisa Dutra, disse que a medida é importante para continuar o processo de melhoria na governança da estatal. “A companhia tem enorme capacidade de gerar valor para a sociedade, se for bem gerida”, destacou.

A Associação dos Grandes Consumidores de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) estima que a tarifa da conta de luz pode aumentar em até 10% para os consumidores em geral e em 20% para o setor produtivo. A entidade prevê que só a contratação de termelétricas em quantidade e locais pré-estabelecidos pode ter um aumento de R$ 20 bilhões ao ano para todos os consumidores. Além disso, a prorrogação do Proinfa pode gerar impacto de R$ 3 bilhões anuais nas contas de energia e a reserva de mercado para PCH, custos de R$ 1 bilhão por ano por 30 anos.

“A proposta atual dá o sinal contrário, de um país que olha pra trás e impõe aos consumidores a obrigação de comprar uma energia cara. (A proposta) socializa custos e privatiza benefícios”, disse o presidente da Abrace, Paulo Pedrosa, ex-secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia.

O Fórum das Associações do Setor Elétrico (Fase), organização de 26 associações setoriais, também emitiu nota contra as mudanças apresentadas no relatório e disse que elas tornam o projeto “desequilibrado” e “merecem ser reavaliadas com o devido cuidado”.

“Tais dispositivos distorcem o mercado e trazem efeitos de curto, médio e longo prazo que aumentarão o custo da energia elétrica no Brasil”, afirmou a Fase.

O ex-presidente da Eletrobras e professor de planejamento energético da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Luiz Pinguelli Rosa, também prevê energia mais cara com a privatização, porque a MP amplia o uso de termelétrica.

Voto de Rose e Bia Cavassa, ao lado do ex-ministro Sergio Moro, pode elevar o valor da conta de luz dos consumidores, segundo especialistas e entidades do setor (Foto: Arquivo)