Reinaldo viajou a São Paulo e não participará de evento com Bolsonaro e Tereza Cristina em MS nesta sexta-feira (Foto: Arquivo)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) não vai participar da solenidade com Jair Bolsonaro (sem partido) na manhã desta sexta-feira (14) em Terenos, a 23 quilômetros de Campo Grande. Oficialmente, o tucano tem compromissos em São Paulo. Contudo, o tucano não tem boas lembranças da última visita do presidente ao Estado, quando foi vaiado e não conseguiu discurso no evento em Corumbá.

Outro motivo é que Reinaldo foi denunciado ao Superior Tribunal de Justiça por receber R$ 67,791 milhões em propinas da JBS. A subprocuradora-geral da República, Lindora Araújo, acusou o governador dos crimes de chefiar organização criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia foi feita no dia 15 de outubro do ano passado.

Veja mais:

Ao pegar carona em ato de Bolsonaro, Reinaldo é vaiado e elogia programa que ia abandonar

Bolsonaro inaugura radar para acabar com pontos cegos no combate ao crime na fronteira

Bolsonaro vem ao Estado para participar, às 10h30, da entrega de títulos para as famílias assentadas no Assentamento Santa Mônica, em Terenos. No local, existem 716 lotes. A solenidade contará com a presença da ministra de Agricultura e Pecuária, Tereza Cristina, que possui propriedades no município.

A vice-líder do Governo no Congresso Nacional, Soraya Thronicke (PSL), contou que foi convidada por Bolsonaro para participar do evento em Terenos. O gesto mostra aproximação entre os dois, já que os dois estavam afastados no evento em Corumbá, logo após Soraya ter votado contra o Governo no Senado.

A ausência de Reinaldo foi comunicada pelo presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa (PSDB). Em nota distribuída pela assessoria, ele contou que Reinaldo vai levar a esposa, Fátima Alves da Silva, para festejar o aniversário em São Paulo. “Hoje, ele teve compromisso em São Paulo, é aniversário dele, e por ter esse compromisso à noite com sua senhora não vai poder estar presente no evento amanhã cedo”, justificou Corrêa.

O deputado vai representar o Governo do Estado porque o vice-governador, Murilo Zauith (DEM), está internado para tratamento da covid-19 desde o dia 27 de janeiro deste ano no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Até a divulgação do boletim nesta quinta-feira, a situação do democrata era um mistério.

“O Sr. Murilo Zauith e sua família vem por meio deste compartilhar o relatório médico mais recente sobre sua situação no tratamento pós COVID-19. Aproveitamos também a oportunidade para agradecer todo apoio, carinho e respeito recebidos dos amigos, familiares e imprensa durante os momentos mais sensíveis que passamos. Registramos nossa gratidão e respeito a todos”, informou a nota, distribuída em grupos de aplicativos.

O boletim médico, assinado por David Salomão Lewi, Murilo está internado para “recuperação física e reabilitação”. O Jacaré apurou que o vice-governador estava realizando fisioterapia para voltar a recuperar os movimentos, como caminhar. Ele vinha se locomovendo em cadeira de rodas.

O Jacaré procurou a assessoria de comunicação do Governo do Estado para saber do motivo da ausência de Reinaldo no evento com Bolsonaro, mas não houve retorno.

Nem na época em que o governador era adversário político do presidente, não houve gesto descortês semelhante. Zeca do PT participou de todas as visitas de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), enquanto André Puccinelli (MDB) sempre foi anfitrião de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT, nas visitas presidenciais a Mato Grosso do Sul.