Policiais civis fizeram assembleia e aprovaram o pedido de reajuste de 7,4% neste ano (Foto: Arquivo)

Os policiais civis aprovaram, em assembleia geral realizada nesta segunda-feira (10), pedido de reajuste salarial de 7,4% neste ano. Já a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação) vai solicitar ao Governo do Estado a realização de concurso público para contratar, pelo menos, 4 mil professores para as escolas públicas estaduais.

As reivindicações estão sendo apresentadas pelo Governo do Estado nas reuniões promovidas pelos secretários estaduais de Administração e Desburocratização, Ana Carolina Nardes, e de Governo e Gestão Estratégica, Sérgio. A data base dos 75 mil servidores públicos estaduais é maio. A expectativa é de que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) autorize a revisão geral neste ano, com a reposição da inflação.

Veja mais:

MS pagou salário acima do teto a 1.445 servidores em 2020; 47 ganharam mais de R$ 1 milhão

NOTA DE ESCLARECIMENTO: Servidores públicos cobram a verdade do Governo do Estado sobre dados fantasiados de ganho salarial

Fórum contesta aumento de 74% e diz que servidor acumula perda de 34% na gestão de Reinaldo

O Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis) realizou assembleia virtual ontem. A categoria aprovou o reajuste de 7,4%. “Ficou aprovado o pedido que o Sinpol encaminhou ao Governo do Estado de 7,4% de reposição inflacionária para 2021. A proposta foi aprovada por 97% dos participantes, tendo 2% de reprovação e outros 2% de abstenção”, afirmou o presidente da entidade, Giancarlo Miranda.

Ele também vai cobrar o pagamento correto na etapa alimentação. Alguns policiais não receberam o benefício de R$ 100 por mês. O pedido beneficiará cerca de 2 mil policiais civis da ativa. Na gestão de Reinaldo, a categoria conseguiu aumento de 23% no salário.

Os trabalhadores na educação também esperam, pelo menos, a reposição da inflação. O índice oficial, calculado pelo IPCA do IBGE, está acumulado em 6,76% em abril deste ano. De acordo com Jaime Teixeira, há outras pendências, mas que não devem ser atendidas por causa do pacote de socorro aos estados e municípios em função da covid-19. A contrapartida exigida pelo Governo de Jair Bolsonaro (sem partido) foi a não concessão de aumento acima da inflação no salário do funcionalismo público.

Além da reposição da inflação, o presidente da Fetems, Jaime Teixeira, antecipou que a realização de concurso público do magistério é um dos itens da pauta. No único concurso realizado na gestão tucana, 99% dos inscritos reprovaram. Ele estima que o Governo deve abrir edital para contratar aproximadamente 4 mil professores.

A federação espera que Reinaldo siga o exemplo dos prefeitos do interior do Estado. Dos 79 municípios, 10 concederam reajuste salarial de 4,5% a 6,10% este ano, conforme Teixeira.

O Fórum dos Servidores Públicos de Mato Grosso do Sul espera a reposição da inflação. A entidade contestou a propaganda feita por Reinaldo de que houve aumento de 74% nos salários dos servidores estaduais nos dois mandatos. Desde a posse, o tucano só autorizou dois reajustes lineares, que somaram 6,07%.