Carreata pró Bolsonaro levou cerca de 500 veículos, segundo organização (Foto: Divulgação)

Aproximadamente 1,1 mil veículos, segundo os organizadores, participaram das carreatas do Dia do Trabalhador neste sábado (1º) em Campo Grande e levaram para as ruas uma prévia da disputa presidencial de 2022 entre o atual presidente, Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As manifestações foram pacíficas, apesar de reforçarem a polarização política no País.

Cerca de 500 automóveis e 250 motocicletas participaram da moto-carreata de apoio a Bolsonaro e para defender o direito ao trabalho, contra o lockdown como medida principal para combater a pandemia da covid-19. Eles também criticaram o Supremo Tribunal Federal e defenderam a volta do voto impresso.

Veja mais:

Carreatas contra e a favor de Bolsonaro vão “ocupar” Centro da Capital no dia 1º de maio

Carreata com 300 veículos comemora golpe de 1964 e manifesta apoio a Bolsonaro

Megacarreata de apoio a Bolsonaro pede intervenção militar e protesta contra STF

Liderada pelo deputado estadual Capitão Contar (PSL), a moto-carreata começou na Rua Antônio Maria Coelho, em frente ao Parque das Nações. Já a carreata se concentrou em frente a Cidade do Natal e percorreu as ruas centrais.

Do outro lado, em frente à Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), na Rua 26 de Agosto, a carreata dos trabalhadores, liderada pela entidade e pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), protestou contra Bolsonaro. Cerca de 400 veículos participaram do ato para condenar o desemprego e pedir vacina para todos, auxílio emergencial de R$ 600 e democracia plena.

Os bolsonaristas percorreram a Avenida Afonso Pena no sentido Parque dos Poderes-Centro, enquanto os sindicalistas e esquerdistas fizeram o movimento inverso, percorrendo as avenidas Duque de Caxias e Afonso Pena. As duas carreatas se cruzaram na Rua Rui Barbosa. Vestidos de verde e amarelo, os manifestantes gritaram o nome de Bolsonaro, enquanto os sindicalistas, de vermelho, ensaiaram Lula 2022.

Os dois movimentos fizeram avaliação positivo da manifestação. “Adesão maciça à carreata, aonde ficou claro o apoio ao presidente, descontentamento com a atual composição do STF e a exigência ao voto impresso e auditável. O povo Brasileiro foi despertado, o nacionalismo e o amor à pátria se agigantando a cada dia. Quem foge à luta, não merece a vitória!”, avaliou o produtor rural Júlio Nunes, do QG Voluntários do Bolsolnaro. “Foi excelente, prestigiamos todos os movimentos de direita locais”, ressaltou Contar.

“Foi excelente, mais de 400 carros e bem representativa”, avaliou o presidente da CUT, Vilson Gregório. Os trabalhadores protestaram contra a reforma administrativa proposta pelo Governo e o desemprego, que superou a marca de 14,4 milhões de brasileiros.

Além da carreata, a CUT distribuiu 15 veículos de som nos bairros para reforçar os protestos contra Bolsonaro. As duas entidades também aproveitaram para promover a arrecadação de alimentos para distribuir para os desempregados. Não houve estimativa do total arrecadado.

Além de protestar, CUT e Fetems arrecadaram alimentos para doar aos desempregados (Foto: Divulgação)

As carreatas já entraram no clima eleitoral deste ano. Com a anulação as condenações na Operação Lava Jato pelo Supremo Tribunal Federal, Lula ficou com a ficha limpa e poderá disputara as eleições. Os sindicatos e partidos de esquerda acabaram colocando o bloco do petista nas ruas neste sábado.

Por outro lado, os movimentos de direita, como Pátria Livre e QG Voluntários do Bolsonaro reforçaram a defesa do atual presidente nos atos de hoje.

Cerca de 400 veículos participaram de ato contra presidente Bolsonaro (Foto: Divulgação)