MS

Ex-secretário de Saúde nega desvio e diz que economizou R$ 7,4 mi com contrato emergencial

Ivandro Fonseca encaminhou dois carrinhos de supermercado com denúncias de irregularidades na saúde à PF (Foto: Arquivo/TopMidiaNews)

O ex-secretário municipal de Saúde de Campo Grande, Ivandro Corrêa Fonseca, garantiu que a prefeitura economizou R$ 7,4 milhões com o contrato emergencial para a limpeza dos postos de saúde. Além de negar a denúncia do desvio de R$ 453 mil, ele contesta o valor apresentado à Justiça pelo Ministério Público Federal.

De acordo com despacho publicado nesta quinta-feira (15), o juiz Pedro Pereira dos Santos, da 4ª Vara Federal, aceitou a denúncia por improbidade administrativa contra Fonseca, o ex-prefeito Alcides Bernal (PP), empresários e servidores pelo contrato firmado com a Mega Serv. A procuradoria acusou que a prefeitura rompeu com a Total Serviços, que cobraria R$ 4,021 milhões, para pagar R$ 4,474 milhões à empresa contratada em licitação.

Veja mais:

Juiz aceita denúncia contra Bernal e ex-secretário de Saúde por desvio de R$ 453 mil na saúde

Ministro do STJ recua e admite analisar pedido para bloquear bens de Bernal por fraudes

Juiz condena Olarte e Bernal a ressarcir erário e pagar R$ 2,5 milhões por fraude em convênios

Em nota distribuída à imprensa e nos grupos de aplicativos, Fonseca apresenta outra versão para a história. De acordo com o ex-secretário, a contratação da Total Serviços foi homologada pelo vice-prefeito Edil Albuquerque (PTB), já que o titular, Nelsinho Trad (PSD), estava em viagem a Londres.

“O contrato foi majorado de 7 milhões/ano para mais de 11,9 milhōes/ano. Diante das constatações, de imediato, encaminhamos para a auditoria tomar as providências cabíveis”, afirmou o ex-secretário. Na sua versão, a prefeitura acabou economizando R$ 7,4 milhões com o rompimento com a Total Serviços e a contratação emergencial – e sem licitação – da Mega Serv.

“Vale destacar, que duas causas seriam aceitáveis para tal aumento nos preços contratados: a primeira, um disparo do processo inflacionário no pais, mas a inflação vinha numa média anual de 5%; e a segunda, seria a inauguração, a ampliação ou a locação de novas unidades de saúde que precisariam de limpeza, mas não ocorreu nenhuma dessas hipóteses”, explicou o ex-secretário.

Ivandro relembrou que esta irregularidade foi uma das encaminhadas em abril de 2014 à Polícia Federal. “Deste (sic) o início, não pactuamos com qualquer coisa errada, em especial aos superfaturamentos na saúde, por isso, em 4 de abril de 2014, encaminhamos para a Superintendência Regional  da Polícia Federal/MS todos os resultados das nossas auditorias realizadas, em particular está em pauta”, afirmou.

“Continuamos confiando na Justiça, reiterando minha disposição em sempre atender as autoridades competentes.  Pois quem não deve, não teme. Além disso, provamos que nada resiste a força da verdade”, ressaltou. “Que a Justiça seja feita a bem da verdade”, disse.

Confira a nota na íntegra:

“NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em atenção a matéria veiculada nos meios de comunicação, sobre a denúncia de desvio de 453 mil na Saúde Municipal venho a público esclarecer:

1º- No findar da gestão que me antecedeu, ocorreu o reajuste em quase 70% dos serviços de limpeza das unidades de saúde, sem justificativa que desse sentido a essa escalada nos preços. A homologação do procedimento e a assinatura dos contratos feita pelo Vice-Prefeito Sr. Edil Albuquerque.

2ª – Ao assumir a Secretária de Saúde em janeiro de 2013, foram realizadas auditorias nos principais contratos celebrados ao apagar das luzes, tomei ciência do sobrepreço praticado neste processo específico. O contrato foi majorado de 7 milhões/ano para mais de 11,9 milhōes/ano. Diante das constatações, de imediato, encaminhamos para a auditoria tomar as providências cabíveis. 

3ª- Vale destacar, que duas causas seriam aceitáveis para tal aumento nos preços contratados: a primeira, um disparo do processo inflacionário no pais, mas a inflação vinha numa média anual de 5%; e a segunda, seria a inauguração, a ampliação ou a locação de novas unidades de saúde que precisariam de limpeza, mas não ocorreu nenhuma dessas hipóteses. 

4º – Deste o início, não pactuamos com qualquer coisa errada, em especial aos superfaturamentos na Saúde, por isso, em 04 de abril de 2014, encaminhamos para a Superintendência Regional  da Polícia Federal/MS todos os resultados das nossas auditorias realizadas, em particular está em pauta.

Continuamos confiando na Justiça, reiterando minha disposição em sempre atender as autoridades competentes.  Pois quem não deve, não teme. Além disso, provamos que nada resiste a força da verdade.

Que a Justiça seja feita a bem da verdade.

Ivandro Fonseca  Ex- Secretário Municipal de Saúde de Campo Grande

Compartilhar
Publicado por
Edivaldo Bitencourt

Posts recentes

  • MS

Juiz vira réu pela 3ª vez; TJ rejeita, por 6 a 5, denúncia por corrupção contra 7 advogados

Aldo Ferreira da Silva Júnior virou réu pela 3ª vez no Tribunal de Justiça nesta… Ler mais

16/09/2021
  • Campo Grande

Nelsinho é condenado por desapropriar e pagar por 19 lotes que não eram de ex-vereador

Senador Nelsinho Trad deverá ressarcir, junto com casal de professores, valor pago pela prefeitura por… Ler mais

16/09/2021
  • MS

Mandetta pode ser candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por Ciro Gomes

Em campanha para disputar as eleições presidenciais de 2022, Mandetta não descarta ser vice (Foto:… Ler mais

16/09/2021
  • MS

Antes de receber queixa-crime, juíza vai tentar reconciliação entre governador e Tiago Vargas

Magistrada vai tentar acordo entre vereador e Reinaldo (Foto: Arquivo) Antes de decidir se aceita… Ler mais

16/09/2021
  • MS

Após 3 anos, STJ mantém, por unanimidade, bloqueio de R$ 277 milhões de Reinaldo e família

Governador teve mais uma derrota no STJ ao não conseguir suspender bloqueio dos bens da… Ler mais

15/09/2021
  • MS

Juiz cita STF e livra “vereador sem voto” de devolver R$ 1,4 mi pago acima do teto pela Câmara

Scaff recebeu R$ 1,410 milhão acima do teto, mas acabou se livrando porque Supremo considerou… Ler mais

15/09/2021

This website uses cookies.