Gasolina a R$ 4,29 ficou no passado graças ao aumento da tributação em MS (Foto: Arquivo)

O preço médio da gasolina em Campo Grande acumulou alta de 8,6% em 2020, conforme pesquisa semanal da ANP (Agência Nacional do Petróleo). O aumento é o maior entre as capitais da região Centro-Oeste e reflete a política tributária de Reinaldo Azambuja (PSDB), que elevou a alíquota do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de 25% para 30% no ano passado.

Antes do aumento de impostos, o campo-grandense pagava o menor preço pelo combustível entre as 27 unidades da federação. Conforme a ANP, o valor médio na Capital saltou de R$ 4,219, em dezembro de 2019, para R$ 4,583 no final do ano passado, conforme levantamento feito entre os dias 28 e 2.

Veja mais:

Consumidor sente no bolso ICMS de 30% do PSDB e Capital tem 3ª gasolina mais cara do País

Preço da gasolina despenca para até R$ 3,79 com crise do petróleo e coronavírus

Reinaldo põe MS na contramão do Brasil, preço da gasolina cai em 23 estados e sobe aqui

O menor preço praticado é de R$ 4,469 – 11,7% mais caro em relação ao valor praticado no final de 2019. O maior valor teve salto de 8,6%, de R$ 4,49 para R$ 4,779. O consumidor acaba sendo penalizado ainda mais porque os postos de combustíveis cobram mais pelo preço pago no cartão de crédito.

Entre as quatro capitais do Centro-Oeste, o menor valor é praticado em Cuiabá, R$ 4,57. No Mato Grosso, conforme a ANP, houve queda de 2,58% no custo da gasolina, já que em dezembro de 2019 o cuiabano pagava R$ 4,668 pelo litro. Em Brasília, o preço médio teve aumento de 3,45%, com o valor do litro oscilando de R$ 4,513 para R$ 4,669. Em Goiânia, o reajuste foi de 1,30%, de R$ 4,755 para R$ 4,817.

O preço médio do etanol teve queda de 5,6% em Campo Grande, de R$ 3,495 para R$ 3,297, segundo o levantamento da ANP. A redução também reflete a política tributária de Reinaldo, que reduziu a alíquota do ICMS sobre o combustível de 25% para 20%. O menor preço caiu 3,1%, de R$ 3,279 para R$ 3,177. Já o maior teve redução de R$ 0,20, de R$ 3,699 para R$ 3,499.

Depois do ICMS passar de 25% para 30%

Gasolinadez/19dez/20Variação
Preço médio4,2194,5838,60%
Preço mínimo3,9994,46911,70%
Preço máximo4,3994,7798,60%

Nas demais capitais do Centro-Oeste, o etanol só teve redução, de 0,08%, em Goiânia, de R$ 3,337 para R$ 3,308. Apesar de ter o produto mais barato na região, Cuiabá elevou o preço médio em 16,8% em 12 meses, de R$ 2,80 para R$ 3,271. Já em Brasília, o etanol disparou 6,38%, de R$ 3,383 para R$ 3,599.

Preço após ICMS cair de 25% para 20%

Etanoldez/19dez/20variação
Preço médio3,4953,297-5,60%
Preço mínimo3,2793,177-3,10%
Preço máximo3,6993,499-5,40%
Fonte: ANP

No entanto, o Governo do Estado não teve êxito na política tributária para tornar o combustível derivado da cana-de-açúcar mais competitivo. Conforme a ANP, o litro do etanol equivale a 71,9% do valor da gasolina, o que significa prejuízo para o consumidor se optar pelo combustível considerado mais limpo e ecologicamente correto.

Além de elevar o tributo sobre a gasolina, Reinaldo aumento em até 71% as alíquotas do Fundersul sobre grãos, boi e madeira. O tucano também manteve o aumento de 40% nas alíquotas do IPVA, adotada desde o início do primeiro do mandato.

Governador elevou ICMS de 25% para 30% e gasolina teve maior aumento do Centro-Oeste (Foto: Aruivo)