Moderna: UCDB encerra convênio com o SUS e dificulta vida dos mais pobres que precisam de fisioterapia (Foto: Arquivo)

A Universidade Católica Dom Bosco demitiu, nesta quinta-feira (17), todos os fisioterapeutas da Clínica-Escola e encerrou o convênio de 12 anos para prestar o serviço aos pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde). A decisão da instituição, uma das maiores e mais antigas do Estado, deverá agravar a situação, já que aproximadamente nove mil pessoas aguardam na fila para realizar o tratamento.

O “presente de Natal” da UCDB abalou os quatro fisioterapeutas. Desde outubro deste ano havia o temor da instituição encerrar o convênio com a Secretaria Municipal de Saúde e deixar de atender aproximadamente 20 mil pessoas por ano.

Veja mais:

TJ condena UCDB a pagar R$ 80 mil a André por citar “curral eleitoral” em prova

Sete anos: julgamento de André por coagir servidor a votar em aliados começa em abril

No entanto, houve acordo em relação aos preços pagos pelo município para manter a prestação de serviços em duas áreas: saúde auditiva e terapia ocupacional. Em nota, a UCDB confirmou o encerramento do convênio, mas destacou que os estudantes vão assumir a prestação do serviço. “Os atendimentos em Fisioterapia continuarão pela Clínica Escola UCDB”, informou.

Criada há 20 anos, no ano 2000, a Clínica-escola oferece serviços gratuitos nas áreas de fisioterapia, psicologia, fonoaudiologia, enfermagem, farmácia, serviço social e nutrição. Graças ao convênio com o SUS, os pacientes eram encaminhados para tratamento pelas unidades básicas de saúde da Capital. Este trabalho era realizado desde 2008.

Desde novembro, a instituição suspendeu o agendamento de tratamento de fisioterapia. Em negociação com a Sesau, a Universidade Católica não concordou com o valor pago pela prefeitura.

Com a demissão dos fisioterapeutas, a instituição encerra a prestação do serviço pelo SUS. Oficialmente, a instituição garante que vai continuar prestando o mesmo serviço, mas o atendimento será agendado pela própria instituição. O temor é de que a maior parte da população, que precisa do tratamento, não será contemplada.

“A UCDB, durante anos, desenvolve trabalho pioneiro em prol da formação de profissionais na área da saúde e do acolhimento da sociedade. São iniciativas que refletem o modo de ser salesiano. A Instituição agradece aos esforços de todos para o consenso que manterá esse serviço tão importante para a população de Campo Grande”, informou.

“E reforçamos que a Clínica-Escola da UCDB foi criada com o intuito de formação acadêmica, como um local de estágio curricular e aperfeiçoamento dos futuros profissionais da Saúde. Oferecemos gratuitamente inúmeros serviços, além da Fisioterapia já citada, em Enfermagem, Serviço Social, Psicologia, Nutrição, Farmácia e Biomedicina. Somente em 2020 foram cerca de 3 mil atendimentos efetuados nessas áreas — uma referência importante para a população de Campo Grande”, assegurou.

A decisão da Universidade Católica agrava o atual momento da população mais pobre de Campo Grande, já penalizada pela pandemia da covid-19 e pela disparada da inflação dos alimentos. No momento mais dramático, até a instituição religiosa sente o impacto da crise e abandona os mais necessitados.