Celso de Mello pediu para incluir julgamento de Vander na pauta da 2ª Turma (Foto: Carlos Moura/STF)

Cinco anos após a denúncia, o deputado federal Vander Loubet (PT) deve ir a julgamento pelo suposto recebimento de R$ 1,028 milhões em propina na BR Distribuidora. No dia 7 deste mês, o ministro Celso de Mello, revisor da Ação Penal 1.019 no Supremo Tribunal Federal, pediu para agendar o julgamento do petista na Operação Lava Jato.

O relator do processo, ministro Edson Fachin, concluiu o voto e encaminhou o processo para o revisor no dia 10 de março deste ano. Mello concluiu a análise dos autos e pediu o agendamento do julgamento final do deputado federal. Além de Vander, a corte julgará o cunhado, o advogado Ademar Chagas da Cruz e o empresário Pedro Paulo Bergamaschi de Leoni Ramos.

Veja mais:

Pressionado por sentença na Lava Jato, STF ouve testemunhas contra Vander em 4 estados

STF bloqueia R$ 1,028 milhão de Vander Loubet por suposta propina na Lava Jato

O petista pode ser condenado a 22 anos, oito meses e 20 dias de prisão em regime fechado. O Ministério Público Federal pede a sentença de 12 anos, cinco meses e 10 dias por corrupção passiva. Outros 10 anos, três meses e 10 dias seriam por lavagem de dinheiro. Além disso, ele corre o risco de perder o mandato de deputado federal e pagar R$ 1,9 milhão.

Delatado pelo doleiro Alberto Yousseff, Loubet foi denunciado em março de 2015 pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, junto com 50 políticos na Operação Lava Jato que tinham foro privilegiado no STF. A sucessora, Raquel Dodge, manteve as acusações contra o parlamentar nas alegações finais.

Vander Loubet foi acusado de integrar o mesmo esquema de corrupção do ex-presidente da República e senador Fernando Collor de Mello, que teve o processo desmembrado. A morosidade do Supremo vem beneficiando o deputado federal, que acabou sendo reeleito no ano passado para o quinto mandato consecutivo pelo PT. Sobrinho do ex-governador Zeca do PT, ele está com todos os bens bloqueados por determinação do ministro Edson Fachin.

O dia do julgamento ainda não está definido, mas poderá ocorrer na última semana deste mês ou início do mês de junho.

A composição da 2ª Turma não é favorável ao petista, já que os ministros Fachin, Mello e Cármem Lúcia possuem fama de votar pela condenação dos acusados de corrupção na Lava Jato. Os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski mantêm a fama de garantistas e não se incomodam com os ataques pela absolvição dos acusados por corrupção.

Caso a corte determine a perda do mandato, Vander deixará a vaga para o professor Jaime Teixeira, presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul).

O advogado de Vander, Ricardo Souza Pereira, afirmou, no início deste ano, que o desejo do parlamentar é o julgamento rápido da ação. Ele acredita que seu cliente será absolvido por falta de provas.