Bumlai foi preso na Operação Passe Livre, feita para atender pedido de Moro, que desejava em novembro e a tempo da denúncia ser recebida antes do recesso (Foto: Veja)

O pecuarista sul-mato-grossense José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foi preso em operação deflagrada pela força-tarefa da Lava Jato para atender pedido feito por Sérgio Moro. Conforme reportagem do fim de semana da revista Veja e do The Intercept Brasil, o ministro da Justiça e Segurança Público cobrou prisão de impacto e definiu os prazos para que a denúncia fosse recebida antes do recesso do Judiciário em 2015.

As novas revelações reforçam as acusações contra o magistrado, de que atuou ao lado da acusação e feriu o princípio constitucional da imparcialidade. As conversas ocorreram por meio do aplicativo de mensagens Telegram.

Veja mais:

Pecuarista será o 1º rico e poderoso de MS a cumprir pena na Lava Jato

Lava Jato: PF erra de casa e Bumlai, amigo de Lula, e filho se tornam réus por porte ilegal de arma

PF suspeita de repasse de R$ 11 milhões pela JBS a Bumlai

De acordo com Veja, em conversas feitas no Telegram, no dia 13 de outubro de 2015, o procurador Paulo Galvão, o PG, menciona a cobrança do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba. “Estava lembrando aqui que uma operação tem que sair no máximo até por volta de 13/11, em razão do recesso e do pedido do russo (Moro) para que a denúncia não saia na última semana”, disse.

O interlocutor, o procurador Robson Pozzobon concorda. “Após, isso vai ficar muito apertado para denunciar”, disse. “Uma grande operação por volta desta data seria o ideal. Ainda é próximo da proclamação da república, rsrs”, acrescenta, rindo.

Leia a reportagem da Veja na íntegra

Com autorização de Sérgio Moro, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram a Operação Passe Livre no dia 24 de novembro de 2015. Bumlai foi preso pelo empréstimo de R$ 12 milhões concedido em 2004 pelo Banco Schahin, que teria sido repassado ao PT. O dinheiro seria propina da Schahin Engenharia, que ficou com o navio-sonda Vitória 10.000 da Petrobras.

Os procuradores cumpriram a risca a recomendação do magistrado e protocolaram a ação penal no dia 14 de dezembro de 2015. Sérgio Moro aceitou a denúncia no dia seguinte.

Sobre este caso, Veja e o The Intercept Brasil reproduzem outro diálogo entre Moro e Deltan Dallagnol, onde o magistrado cobra manifestação do MPF no pedido de habeas corpus do pecuarista. “Preciso de manifestação mpf no pedido de revigação da preventiva do bmlai até amanhã meio dia”, pede.

“Ok, será feito”, responde o procurador chefe da Lava Jato. Em seguida, Dallagnol envia decisões de magistrado sobre prisões para que Moro as utilize quando “precisar prender alguém”.

Diálogo publicado pela revista Veja deste fim de semana

Sobre a atuação de Moro na operação contra Bumlai, a revista ouviu a opinião de um juiz, que não se identificou, mas condenou a conduta do ministro. “Nesse caso, a sociedade pode aplaudir o juiz, por acreditar que ele está tentando ser justo. Mas ele está infringindo as leis do processo, que o impedem de imiscuir-se em uma das partes e colaborar com ela, e é uma das garantias para que todos sejam julgados da mesma forma”, analisou.

“Imagine que todos os magistrados atuem da mesma forma, infringindo uma regra aqui e outra ali para alcançar seus objetivos. Um pode se aliar à defesa para soltar um criminoso; outro pode se aliar à acusação para perseguir um inimigo e, aí, o céu é o limite”, conclui.

Neste processo, Bumlai foi condenado a nove anos e dez meses de prisão por gestão financeira fraudulenta. Neste ano, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região manteve a sentença, mas o pecuarista, que enfrenta um câncer, conseguiu autorização para cumprir o regime de prisão domiciliar em São Paulo.

Moro e Dellagnol não quiseram se manifestar sobre as novas revelações. O ministro tem enfatizado que é vítima de hackers e reconhece a autenticidade de um ou outro diálogo.

Dallagnol e Moro teriam feito parceria para conduzir a Lava Jato, o que não é permitido pela Constituição (Foto: Arquivo)