Deputados federais durante o juramento do mandato: eles lucram com o auxílio mudança, mas penduricalho custa caro à sociedade (Foto: Arquivo)

Os deputados federais e senadores vão receber R$ 33.763 de auxílio mudança. No entanto, caso precisem transportar móveis e utensílios domésticos de Campo Grande até Brasília (DF), não vão desembolsar mais do que R$ 8 mil. Na pior das hipóteses, vão lucrar R$ 25,7 mil com o penduricalho – este valor, o trabalhador comum levaria dois anos para acumular, considerando-se o salário mínimo de R$ 998.

Na prática, o deputado federal tem a opção de ficar com o apartamento funcional, que é amplo e todo mobiliado. Ou então pode optar por um apart-hotel, que também dispensa o gasto com sofás, eletrônicos, camas, guarda-roupa e armário. Neste caso, só gastaria com o excesso de malas no avião, que não ultrapassaria R$ 1 mil.

Veja mais:
Deputado reeleito e até quem virou ministro recebe auxílio mudança de R$ 33,7 mil
Pastor e ex-vereadora aderem à farra e vão ganhar até R$ 108 mil por mandato nas férias
O milagre! Coringa ganhará R$ 108 mil para “interpretar” deputado por 30 dias nas férias
Bolsonaro cogita anular “boquinha” de R$ 27 mil de Marun na Itaipu

No entanto, considerando-se que o parlamentar vai fazer a mudança para o Distrito Federal, que inclui até os bichos de estimação, O Jacaré fez consulta sobre o custo do frete de um caminhão-baú.

Com base na consulta feita em três empresas de credibilidade no mercado, o gasto com a mudança ficaria entre R$ 6 mil e R$ 8 mil. Caso estivesse preocupado com o dinheiro do contribuinte e não tivesse pressa no envio dos móveis, o deputado poderia pagar menos se dividisse o caminhão com outra família de mala e cuia para o mesmo destino.

A polêmica começou com o Ademar Vieira Júnior, o Junior Coringa (PSD), que acabou exposto ao fazer propaganda do mandato tampão de 30 dias nas férias do Congresso. Para justificar os benefícios e salários do cargo, ele prometeu apresentar muitos projetos e garantir verbas para Mato Grosso do Sul.

A situação ficou pior quando o penduricalho foi usado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) para conquistar votos na busca pela reeleição. Ele antecipou o pagamento do auxílio moradia de 31 de janeiro para o dia 28 de dezembro e depositou na conta de todos os deputados, inclusive os reeleitos e até quem virou ministro. A conta total foi de R$ 17 milhões.

O auxílio mudança foi pago a sete deputados

  • Geraldo Resende (PSDB)
  • Dagoberto Nogueira (PDT)
  • Elizeu Dionizio (PSB)
  • Zeca do PT
  • Vander Loubet (PT)
  • Tereza Cristina (DEM)
  • Luiz Henrique Mandetta (DEM)

Na prática, até quem não vai precisar fazer mudança, ganhou a ajuda de custo de R$ 33.763. Só o deputado federal Fábio Trad (PSD), reeleito com a segunda maior votação, devolveu o dinheiro na semana passada.

Dos novos parlamentares, a campeã de votos e atual vice-governadora, Rose Modesto (PSDB), anunciou que abre mão do penduricalho. Ela enviou um ofício recusando o mimo.

O auxílio mudança é pago n início e no fim de cada mandato. Trad acha o benefício justo e só devolveu porque já recebeu em dezembro de 2017, quando o titular da vaga, Carlos Marun (MDB), assumiu a vaga de ministro de Michel Temer (MDB).

Na prática, a ajuda de custo para fazer a mudança só reforça a renda do deputado federal, que já tem R$ 33.763 de salário, R$ 40.542,84 de cota para gastos diversos, R$ 4.253 para auxílio moradia (se não ficar com o apartamento funcional) e R$ 111.675,59 para contratar 25 funcionários.

Eleito para representar o cidadão, o deputado federal está custando caro, muito caro ao contribuinte.

Considerado importante e estratégico para a democracia, o parlamentar brasileiro deveria ter sensibilidade maior do dano que causa à sociedade.

Um pouco de humildade e redução de custos poderia ser o primeiro passo para se adequar aos novos tempos, em que o poder público agoniza com a falta de dinheiro e vive buscando sacrifícios para impor aos cidadãos em troca do equilíbrio das finanças públicas.

Rose dá o exemplo ao abrir mão do auxílio mudança (Foto: Divulgação)