Cedência é feita apesar da falta de médicos nos postos de saúde e apesar da prefeitura alegar falta de dinheiro

Apesar da falta de médicos nos postos e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), mais um profissional da saúde vai trocar o atendimento ao público por um cargo burocrático. Nesta quarta-feira, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) autorizou a cedência do ex-secretário municipal de Saúde e ex-vereador, Jamal Mohamed Salem (PR), para a Assembleia Legislativa.

Conforme decreto publicado no Diário Oficial de Campo Grande, Jamal vai continuar recebendo o salário do município.

A cedência ocorreu logo após o prefeito anunciar várias medidas de contenção de gastos e de otimização da máquina municipal em decorrência da crise econômica. Marquinhos tinha anunciado até a convocação dos funcionários públicos cedidos para outros órgãos públicos para reduzir os gastos com convocação de temporários.

Jamal é ex-secretário de Saúde e ex-vereador: opção de trabalhar nos bastidores da política e não no atendimento ao público

Com o deslocamento de Jamal Salem para trabalhar no Palácio Guaicurus, sede do legislativo estadual no Parque dos Poderes, a prefeitura será obrigada a desembolsar com o pagamento de salários para um médico convocado sem concurso para substituí-lo na unidade de saúde.

E o mais grave, faltam profissionais médicos para atender a população, que sofre com os plantões vagos no atendimento de emergência na rede pública. A cedência complica porque vai onerar os cofres públicos duas vezes – o salário do ex-vereador e o do seu substituto – e ampliar o déficit de médicos nos postos.

Jamal não é o único a ter o benefício em decorrência da articulação política.

O vereador Antônio Cruz (PSDB) foi cedido para trabalhar como “dono” do próprio estabelecimento, o Hospital Evangélico. Ele vai receber do município como médico e como vereador, o que lhe assegura quase R$ 35 mil por mês, considerando-se o subsídio e a verba indenizatória como vereador.

Enquanto a política prevalece, a população sofre com o caos na saúde, com a falta de médicos, de remédicos, de leitos…

E a nós, pobres e miseráveis diante do arcaico e excludente sistema político brasileiro, só nós resta apelar a bondade divina, que nos dê sorte e força para superar os obstáculos impostos pelo poder público brasileiro.

Jamal não recebe salário da prefeitura

O ex-secretário de Saúde, Jamal Salem, entrou em contato para apontar erro na informação divulgada pelo site O Jacaré.

Ele destacou que não recebe salário do município desde 2014, quando optou pelo salário de vereador após assumir o comando da Secretaria Municipal de Saúde.

Desde então, ele não recebe nada.

O vencimento de R$ 6,5 mil divulgado nesta quarta-feira é pago ao seu filho, Jamal Mohamed Salem Júnior.  No portal, apesar da consulta ter sido feito pelo nome do pai, o holerite divulgado é o do filho.

O Jacaré pede desculpas ao médico pela divulgação do valor incorreto.