O Governo chinês prevê crescimento econômico inferior em 2017 em relação ao ano passado. A perspectiva deve agravar a crise econômica em Mato Grosso do Sul, já que o gigante asiático foi responsável por 35% do montante exportado no ano passado. 

Apesar de prever queda no desemprego, de 4,5% para 3%, a China prevê crescimento de 6,5%, inferior aos 6,7% de 2017.

A queda deverá comprometer a economia sul-mato-grossense. A China respondeu por 35% das exportações do Estado em 2016. Alta de sete pontos percentuais em relação aos 28% de 2014. Os chineses garantiram a fartura do agronegócio de MS, já que as exportações acumulam queda entre 2013 e o ano passado, de US$ 5,2 bilhões para US$ 3,7 bilhões.

O primeiro ministro chinês, Li Keqiang, atribuiu a queda às incertezas na economia americana, causada pelo lunático Donald Trump. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) vai ser obrigado a ampliar o horizonte para além do gás boliviano para superar as dificuldades econômicas e ter força para disputar a reeleição.