Desvio milionário incluiu pista e ciclovia da 2ª fase da Orla Morena (Foto: Arquivo)

A investigação do Ministério Público Estadual sobre o desvio de R$ 1,019 milhão na 2ª etapa da Orla Morena descobriu que o ex-vereador e atual assessor da Câmara Municipal de Campo Grande, Pércio Andrade Filho, usou sacola de dinheiro para comprar um apartamento. Sortudo, o político teria ganho três vezes na loteria no período de um mês em 2014, coincidentemente, o mesmo ano em que teriam ocorridos nos desvios na obra.

No mês passado, o juiz Ariovaldo Nantes Corrêa, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, determinou o bloqueio de R$ 1,628 milhões do ex-parlamentar, do filho, Leonardo Barbosa Andrade, do irmão, Márcio Luiz Câmara de Andrade, e da GT Serviços e Engenharia, responsável pela obra, que dos quais o ex-assessor da Câmara Municipal seria sócio oculto.

Veja mais:

Magali Picarelli, nora, ex-nora e ex-assessora são condenadas a 20 anos de prisão por peculato

Juiz bloqueia R$ 1,6 milhão de ex-vereador e filho por desvios na 2ª etapa da Orla Morena

Juíza condena sobrinhos de adjunto da Fazenda, investigados pela PF por desvios no Detran

Pércio Andrade foi nomeado para cargo comissionado por João Rocha (PSDB), quando presidia o legislativo municipal. O atual presidente, Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), manteve o político no cargo de assessor com salário de R$ 12.628,12, conforme o Portal da Transparência da Câmara Municipal.

A quebra do sigilo bancário e fiscal em 2018 mostrou movimentações atípicas nas contas de Pércio Andrade. Uma das suspeitas da promotoria é de que a empresa repassou o dinheiro para o sócio oficial, Orlando Torres da Silva e ele repassava para o ex-vereador. Entre agosto de 2014 e novembro de 2015, a GT repassou R$ 1,073 milhão a Orlando, que efetuou saques em altos valores logo após o depósito.

Pércio usou a mulher, Ana Maria Kemop Falcon para comprar apartamento no prédio Pablo Picasso, da Plaenge. O casal declarou ter pago R$ 360 mil. No entanto, o dono do imóvel, Honório Rodrigues Terra contou que vendeu por R$ 650 mil. A entrada, no valor de R$ 250 mil, foi paga em cash, dinheiro vivo em uma sacola. “Eu nunca tinha visto uma quantia desse tamanho em nota”, contou o antigo proprietário. Com medo, ele pediu para o ex-vereador ir ao banco com ele e depositar o dinheiro.

Ainda houve o repasse de R$ 150 mil da GT Serviços e Engenharia, que oficialmente pertencia a Orlando, para o dono do apartamento. Para o promotor Adriano Lobo Viana de Resende, o repasse é mais um indício de que Pércio Andrade era o sócio oculto da empresa para desviar dinheiro dos cofres públicos.

“Sua movimentação bancária é intensificada no período da obra aqui analisada, mas os valores, embora significativos, não são o principal ponto. Na conta, também chama a atenção o fato de ter recebido três prêmios de loteria, três vezes em menos de trinta dias. Embora não sejam valores expressivos, o fato denota situação deveras atípica e que nunca mais se repetiu durante o período de afastamento do sigilo”, pontuou o promotor.

O primeiro prêmio, no valor de R$ 32,9 mil, foi pago pela Caixa Econômica Federal, no dia 17 de outubro de 2014. O segundo, de R$ 5,4 mil, foi pago no dia 11 de novembro do mesmo ano. Dois dias depois, no dia 13, Pércio ganhou pela 3ª vez na loteria, R$ 42.011,26. Pelo menos no período analisado, ele não voltou a ter a mesma sorte.

O MPE também descobriu a compra de motor com 200 cavalos na Tecmar Motores Marítimos, no valor de R$ 85 mil, que foi pago pela GT por meio do seu irmão, Mário Luiz Câmara Andrade. Em depoimento ao promotor, o ex-vereador confirmou que a empresa pagou pelo motor. Já por meio do filho, ele comprou um colchão de R$ 9,8 mil para a esposa.  

“Os valores não são compatíveis com a renda declarada, tratando-se de enriquecimento sem justa causa”, concluiu o promotor. “Em conclusão, os requeridos PÉRCIO ANDRADE FILHO, LEONARDO BARBOSA ANDRADE e MARIO LUIZ CÂMARA DE ANDRADE uniram-se informalmente a ORLANDO TORRES DA SILVA, ocultando a real sociedade estabelecida para fins de, mediante fraude à execução do contrato administrativo, desviaram dinheiro público”, afirmou, na denúncia protocolada em maio deste ano.

O ex-vereador, o filho e o irmão poderão recorrer contra o bloqueio e apresentar a defesa sobre as acusações. Orlando Torres da Silva morreu durante as investigações.