Referência, HR restringe acesso e se prepara para enfrentar a pandemia (Foto: O Jacaré)

Novo decreto do prefeito Marquinhos Trad (PSD) determina o fechamento de todos os estabelecimentos comerciais às 22h em Campo Grande. O número de casos confirmados passou de 11 para 14 em Campo Grande, conforme a Secretaria Estadual de Saúde. A doença já foi detectada em mais dois municípios, Sidrolândia (1) e Ponta Porã (1).

Para conter o avanço da pandemia do coronavírus, o próximo passo será decretar o toque de recolher no município, seguindo o exemplo de outras cidades do interior, que obrigam o recolhimento da população a partir das 20h e até às 5h.

Veja mais:

“Se alguém desenvolver a doença, infelizmente vai morrer”, alerta secretária do interior de MS

TJ concede prisão domiciliar a devedores de pensão e juiz solta 204 presos em Dourados por causa de coronavírus

Emergência: shoppings devem ser fechados e postos de saúde só vão atender emergências

Marquinhos confisca máscaras, proíbe corte de água e reduz jornada de servidores

Médico defende quarentena obrigatória para frear avanço da pandemia em MS

O transporte coletivo está suspenso por 15 dias a partir deste sábado. O Consórcio Guaicurus só está autorizado a transportar os profissionais das unidades de saúde, clínicas e hospitais. Funcionários deverão apresentar o crachá ou declaração do estabelecimento de saúde.

Como a população ainda segue ignorando o apelo das autoridades sanitárias, de que devem ficar em casa, evitar aglomerações e não se locomover, o prefeito decidiu ampliar as restrições. Padarias, pet shops, conveniências, restaurantes, lanchonetes, distribuidores de gás e água mineral deverão encerrar às atividades presenciais às 22h. O serviço de entrega será permitido.

Marquinhos determinou a suspensão de todas as atividades da construção civil a partir de segunda-feira (23). Obras municipais e privadas ficarão suspensas por 15 dias. A Solurb vai suspender o trabalho de capina, roçada e pintura de meio de avenidas, ruas, praças e áreas verdes.

Serviços considerados essenciais, como água, telefone, energia e coleta de lixo não serão suspensos.

A partir deste sábado, a prefeitura determinou o fechamento o comércio. Uma lotérica no Bairro Aero Rancho desobedeceu a interdição e foi fechada pela Guarda Municipal. O call center da Oi continuou desrespeitando as regras de quarentena e teve a segunda unidade fechada.

Marquinhos confere equipamento que será usado para aferir febre durante unidade de urgência no Parque Ayrton Senna (Foto: Bruno Rezende/Correio do Estado)

O Terminal Rodoviário de Campo Grande suspenderá a atividades a partir de terça-feira. Isso significa que a cidade estará fechada para a chegada de passageiros, principalmente, vindos dos focos da doença, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Como a rede pública nem privada dará conta da demanda, o poder público começa a montar hospitais de campana. Referência no combate à doença na Capital, o Hospital Regional de MS Rosa Pedrossian começou a montar as tendas neste sábado.

A prefeitura vai construir uma unidade de triagem dos pacientes da Covid-19 no Parque Ayrton Senna, no Conjunto Aero Rancho. No local, as equipes estarão equipadas e preparadas para aferir a febre e o nível de oxigênio dos pacientes. Até a Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores) começou a montar hospital de campanha. Construído no estacionamento do Hospital da Cassems, a unidade terá capacidade para 30 leitos e três consultórios. O número de leitos em UTI terá acréscimo de 50%, de 20 para 30 leitos.

Hospital da Cassems terá 30 leitos montados debaixo de tenda para atender emergência (Foto: Divulgação)